09
set
08

Paul is Dead?

Como surgiram as mensagens subliminares na vida dos Beatles…
A idéaia de criar mensagens “ocultas” nos discos e letras da banda começou depois de uma visita do ex-beatle George Harrison à India em 1966, com sua mulher Patti Boyd, quando foi iniciado na seita hindu conhecida como Hare Krishna, tornando-se adepto do movimento e seu maior divulgador no mundo ocidental. Em 1968, Harrison convence os outros beatles a viajar também para a Índia e conhecer o guru Maharish. O movimento Krishna cresceria de maneira assustadora, principalmente por causa da divulgação dos conteúdos [a maioria subliminar] da seita, através das canções, das capas e encartes dos discos do grupo, a partir de então. Estas influências podem ser destacadas principalmente nos discos: My Sweet Lord (Meu doce senhor), Living in the Material World (Vivendo no mundo material), Within You, without You (Dentro de você, sem você), The Hare Krishna Mantra (O mantra Hare Krishna). Houve também uma apologia ao LSD em suas canções como e, “Lucy in the Sky whit Diamonds”, onde Lucy, Sky e Diamonds formam as siglas da droga.

A morte de Paul:
Uma das teorias conspiratórias mais conhecidas no mundo inteiro e que até hoje tem gerado polêmicos debates, começou em agosto de 1966, quando os Beatles se apresentaram pela última vez ao vivo em São Francisco (EUA). >>> Essa “pausa” teria sido planejada, pois, segundo o próprio Paul Mcartney em declaração  anos mais tarde, estava começando a ficar difícil tocar ao vivo, levando em conta como as músicas estavam sendo bem produzidas para os discos, cheias de efeitos e arranjos. E soma-se a isso um acidente de moto que Paul sofreu no mesmo período, o que o obrigou a ficar fora de cena durante um tempo, visto que no acidente ele cortou o lábio superior e perdeu um dente.

Já para os teóricos da conspiração, Paul McCartney na verdade foi tragicamente decapitado e/ou teve o rosto desfigurado em um acidente automobilístico na Inglaterra, ficando totalmente mutilado, ao ponto de ninguém conseguir reconhece-lo. E para que o grupo não se desfizesse, uma vez que estava no auge do sucesso, a gravadora Capitol convocou um sósia para substituí-lo, um tal de William Campbell (com o mesmo talento de Paul), rapaz que nunca mais foi visto em sua cidade. John Lennon, que jamais aceitara a idéia da farsa, começou a espalhar dicas ou pistas subliminares para os fãs do grupo, sobre a morte do parceiro, nas famosas capas e nas letras dos álbuns da banda. O mito “Paul is Dead”, conforme ficou conhecido e popularizado o fato, começou a ser divulgado em 1969 e a “verdade” sobre sua morte, foi anunciada nos Estados Unidos, através de Russel Gibb, DJ da rádio WKNR de Detroit (EUA), uma rádio conceituadíssima e que alcançava quase todo o país. A notícia correu o mundo, virou obsessão de fãs-detetives durante anos, se transformou em livros, especiais de TV, sites e filme.

O filme “Paul is Dead” revive o boato da morte do ex-beatle, quando a banda estava no auge. O filme é autobiográfico já que seu produtor conta a história exatamente como a conheceu: quando tinha 12 anos e ouviu-a no rádio. É um trabalho de mestrado do diretor Hendrik Handloegten, 32, alemão formado na German Film and Television Academy.

Vale lembrar que alguns estudiosos realmente constatam diferenças nas músicas compostas antes e depois de 66, por Paul.

As ‘Dicas’ Subliminares deixadas por John:

“Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band – 1967
Esta capa é ‘A’ mensagem subliminar ambulante. Na verdade, todo o conjunto de elementos desta capa estão retratando uma espécie de funeral. Observe:


A esquerda o padre, e ao lado dele pessoas de luto; observe também o caixão coberto de flores vermelhas. Abaixo dele há um arranjo de flores amarelas, com a forma de um contra baixo, de canhoto, que seria de Paul !
– O Contra-baixo de Canhoto – O arranjo floral abaixo, forma um contra-baixo próprio para canhotos formado por flores amarelas. Observa-se também a letra “P” de Paul.

O Local do Enterro – Observe que no final da palavra “Beatles” está a letra “o” (composta por flores vermelhas), formando assim a frase “Be at Leso”, nome do suposto local onde estaria enterrado Paul.

A data da morte anunciada no Tambor – “1 one IX He Die”, que pode ser entendido como “9 de novembro ele morre” (1 com ONE= 11, IX=9 – pelo modelo americano de datas temos  9/11, pois descobriu-se que ele morreu numa quarta, e 9/11/66 era uma quarta-feira.

Aliester Crowley, satanista, ocultista e todos os ‘istas’ que se pode imaginar em relação à esses assuntos está presente na capa também.

“Abbey Road” – 1969
É sem dúvida a capa mais polêmica de todas pesquisadas.

O Funeral – Os 4 Beatles, andando em fila, simbolizam a procissão de um enterro. John, de branco, seria o padre ou um médico; Ringo, de preto, o agente funerário; Paul é o morto, e Harrisson trajando um surrado jeans, seria o coveiro.

O Carro na Rua – Um carro parece vir em direção a Paul. Ou, como os ingleses dirigem na mão esquerda, parece que o carro já atingiu Paul e segue em frente.

O Carro de Polícia – Um carro de polícia, entre John e Ringo, esta parado. Parece estar atendendo a alguma ocorrência, como um acidente de trânsito.

A Mancada – A mancada maior, o cigarro na mão direita de Paul. Ele era canhoto. Erro do sósia?

Pés descalços – Paul é o único beatle de pés descalços. Há um costume de ingleses serem enterrados de pés descalços. Detalhe: seus olhos também estão fechados.

A Chapa do Carro – A chapa de um fusca que aparece à esquerda traz a inscrição LMW 28IF. O LMW poderia significar a abreviação de “Linda McCartney Weeps” (Linda McCartney Chora) ou “Linda McCartney Widow” (Linda McCartney Viúva). O 28IF seria “28 years IF alive”, o mesmo que 28 anos SE vivo, se referindo à idade de Paul à época do disco, se não tivesse morrido. Paul, na verdade, tinha 27. Mas, era o dito, em religiões indígenas a idade de uma pessoa é contada a partir da gestação. Então ela já tem 9 meses quando nasce. Logo, Paul teria 28 anos, na época.

Os Furos na Parede – Na contra-capa (abaixo) observe os furos na parede antes da palavra “Beatles”. Agora ligando os furos, notamos que se forma a frase “3 Beatles”.

“Magical Mystery Tour” – 1967

Paul está vestido de leão marinho, um símbolo da morte em algumas culturas. Existem dúvidas sobre quem realmente está vestido de morsa na capa do álbum, John ou Paul? Algumas pistas podem esclarecer:

A figura caracterizada como uma ave ou coisa parecida na parte superior direita esta usando um par de óculos extremamente parecido com o de John Lennon; na listagem das canções dentro do álbum em “I Am the Walrus” (Eu sou a Morsa) está escrita entre parênteses logo abaixo “No you´re not! Say Little Nicola!” (Não, você não é! Diga pequeno Nicola).Ora, se John está clamando ser a Morsa na música por que alguém iria dizer que ele não é tal criatura? Mais tarde no Álbum Branco, Lennon em sua música Glass Onion fala: “and here´s another clue for you all…the walrus was Paul…” (e aqui outra pista para vocês todos… a morsa era Paul). No clipe de George Harrison da música “When We Was Fab”, canção nostálgica sobre os tempos de Beatles, Ringo Starr participa em vários instantes e, em determinado momento aparecem, George c/ a guitarra, Ringo na bateria… e a Morsa tocando seu baixo Hofner!

Se você olhar a capa do disco em um espelho as estrelas onde está escrito BEATLES formam um número de telefone, 2317438. Quando se ligava para este número na época em que o disco foi lançado se ouvia a mensagem “You’re getting closer” (você está chegando perto). Na realidade se tratava de uma menina bem humorada que havia aderido à brincadeira sobre a morte de Paul.

-No livro que vinha junto com o disco em sua versão original havia uma foto dos BEATLES cada um com uma rosa na lapela. Todos tinham rosas vermelhas, a não ser Paul, que usava uma rosa preta.

Ainda no livro em todas as fotos Paul está descalço (os mortos são enterrados descalços).

Na foto central do encarte, na pele de resposta da bateria de Ringo está escrito “Love 3 Beatles” lembrando que os BEATLES agora são apenas 3.

No desenho dos BEATLES presente no interior do álbum, Paul aparece com o gorro cobrindo parcialmente seu rosto, além de estar com os olhos fechados. É curioso também que a poeira de estrelas que os rodeia forma uma espécie de auréola sobre a cabeça de McCartney.

Em Strawberry Fields Forever você ouve ao final da música a voz de Lennon dizer “I Buried Paul”. Mais tarde Lennon revelou que na realidade a frase era “Cramberry Sauce”.

Ouvindo I Am The Walrus (lembre-se que Paul é o leão marinho da capa) surge a mensagem “oh untimely death” (oh morte prematura). A frase aparece sem a necessidade de inversão da música junta com muitas outras ao final da música, incluíndo: “bury my body” (enterre meu corpo) e “what, is he dead?” (o que, ele esta morto?) Estas frases fazem parte de uma execução via rádio da peça King Lear de Shakespeare. Lennon as utilizou na edição com propósito desconhecido… talvez a razão possa ser encontrada se forem verificadas as palavras postas anteriormente em Paperback Writer que dizem “…Its based´on a novel by a man named Lear…” (é baseado em um romance de um homem chamado Lear).

Ao final de “All You Need Is Love” você pode ouvir John dizendo algo semelhante a “yes! he is dead!” (sim! Ele está morto). O que Lennon realmente fala é “She loves you, yeah, yeah” referindo-se a tradicional canção da primeira fase dos fabfour.

Magical Mystery Tour seria a jornada a que todos os fãs de Paul iriam percorrer para decifrar o enigma de sua morte.

“White Album” 1968


Em “I’m So Tired” ao ouvir o trecho final da música ao inverso surge claramente a voz de John Lennon dizendo “Paul is dead man, miss him miss him.” (Paul está morto, cara. Sinto falta dele).

A música “Revolution #9” seria sobre a morte de McCartney (o sobrenome tem 9 letras). “My fingers are broken and so is my hair” (meus dedos estão quebrados e meu cabelo também). Ao ouvir o verso “number nine” ao inverso surge a mensagem “turn me on dead man”. Ainda ao inverso podem-se ouvir outras pistas, incluíndo “Let me out!”. Seria McCartney gritando para sair de seu automóvel?

Nas fotos colocadas em várias partes do álbum duplo algumas curiosidades. Paul em uma banheira, com a cabeça para fora da água dando uma impressão assustadora de decapitação. Paul entrando em um trem ou em um ônibus e duas mãos “fantasmagóricas” prontas para leva-lo para o “outro lado” podem ser vistas atrás dele. Nas fotos em close dos 4 integrantes a de Paul revela a cicatriz da cirurgia plástica de Willian “Billy Shears” Campbell para aperfeiçoar sua semelhança com Paul. Mas obviamente a cicatriz faz parte do pequeno acidente de moto que Paul sofrera, cicatriz responsável também pelo bigode em Sgt Pepper.

Fonte: Jovem Nerd


0 Responses to “Paul is Dead?”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Conspiratório

Você acredita MESMO em tudo o que é veiculado na mídia?

RSS Twitter Calebe

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Twitter Giovanni

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS News


%d blogueiros gostam disto: