09
set
08

Paul is Alive?

Existe uma teoria mais assombrosa que a PAUL IS DEAD: a de que TODOS os Beatles morreram, menos Paul.

As pessoas mais atentas perceberam que muitas das pistas são meramente resultado de coincidência. É esperado que existam tantas “pistas de morte” para os outros três Beatles, quanto existem para Paul. >>>

Analisando mais profundamente, encontram-se evidências do oposto: todos os outros Beatles foram substituídos por dublês. Mais especificamente, em 1963 Ringo morreu e foi substituído; George morreu e foi substituído em 1964; John morreu e foi substituído em 1965; O substituto de Ringo morreu em um acidente de carro em novembro de 1966 e foi re-substituído. Logicamente, as pistas sobre o acidente de carro sofrido por “Ringo-2” em 1966, criaram os rumores da morte de Paul.
Na verdade, várias pistas de que Paul tinha morrido foram interpretadas erroneamente. Apresento-lhes algumas para que possamos tirar nossas próprias conclusões.

With The Beatles (1963)

O rosto de Ringo não está na mesma linha dos outros Fabs. Claramente uma pista que o Ringo neste álbum é diferente dos outros: obviamente ele morreu entre os dois primeiros álbuns e foi substituído.

A Hard Day’s Night (1964)

George é o único Beatle de costas para a câmera em uma das fotos, e é o único com um cigarro (“prego de caixão”). Esses são os sinais da morte de George.

Long Tall Sally – EP (1964)

George veste um tipo de casaco diferente dos outros três, novamente indicando sua substituição. George e Ringo deveriam ser mostrados em diferentes vestes mas, presumidamente, quem quer que estivesse com a função de colocar as pistas, decidiu que tendo George e Ringo em um estilo de casaco e Paul e John num outro, seria dificil descobir qual par de Beatles teria partido. Concentrou-se então na morte mais recente.

Beatles For Sale (1964)

Todos os Beatles estão de preto e o disco contém a música “Baby’s In Black” (Garota de Preto). O preto é a cor tradicional do luto, o estado que você esperaria que John e Paul estivessem depois da morte de dois de seus camaradas.

Nowhere Man – EP (1965)



Na capa do EP “Nowhere Man” Ringo está sentado em um monumento de pedra, obviamente feito para simbolizar sua morte. Aparentemente as “forças” que decidiam quais dicas deveriam ser dadas, decidiram dar a Ringo uma nova pista, assim ele empatava com George.

Help! (1965)



Os Beatles fazem posições sinalizadoras com seus braços. No entanto ao invés de sinalizar “HELP” como seria esperado, eles sinalizam “NUJV”. Esta é uma abreviação para “New Unknown John Vocalist” (novo vocalista John desconhecido), indicando que John morreu e foi substituído.

E desde que as chances deles escolherem aleatoriamente quatro letras que formem essa frase são de uma em 358.800, esta só pode ter sido uma pista planejada. (foto08)

Rubber Soul (1965)

Em “I’m Looking Through You”, Paul canta “You don’t look different, but you have changed” (vocês não parecem diferentes, mas vocês mudaram) É uma clara referência aos três substitutos com os quais teve que se cercar. Isso passou despercebido porque o verso sempre foi entendido no singular.

Revolver (1966)

John-2 canta: “I’m Only Sleeping” (eu só estou dormindo). Dormir é, claro, uma metáfora para morte. Em “She Said She Said”, John-2 canta: “I know what it’s like to be dead” (eu sei como é estar morto) o que o John original sabe mesmo agora. Em “Eleanor Rigby”, Paul canta “Father McKenzie wiping the dirt from his hands as he walks from the grave / No one was saved” (Padre McKenzie/limpa as mãos enquanto se afasta do túmulo / Ninguém foi salvo). “Father McKenzie” é obviamente uma referência metafórica a Paul McCartney, que freqüentemente se afastou dos túmulos de seus companheiros de banda. Afinal, quais são as chances de Paul criar um personagem cujo sobrenome comece com “Mc” e ser mera coincidência? E de fato, nenhum dos outros Beatles foi salvo da morte.

Strawberry Fields Forever – Single (1967)

John-2 diz “I buried Paul” (eu enterrei Paul). A princípio isso pode sugerir que Paul faleceu e juntou-se aos outros três Beatles. No entanto, pouco antes John-2 canta “Nothing is real” (nada é real), o que mostra que seu último comentário não é uma pista real mas uma pista falsa, usada para desviar a atenção para longe da pista verdadeira.

Sgt. Peppers L.H.C.B. (1967)



Nesse álbum, os Beatles apresentam Billy Shears para substituir Ringo-2 (o substituto do Ringo original) que é a vítima real do acidente de carro de novembro de 1966 que é a base da teoria “Paul is dead”. Como alguém pode pensar que Billy Shears era o substituto de Paul é difícil de entender. Afinal, a música seguinte à frase “Let me introduce to you the one and only Billy Shears” (Deixem-me lhes apresentar o primeiro e único Billy Shears) é cantada por Paul. E Ringo-2 proveria uma confirmação adicional em “I’m the Greatest” de 1973 onde ele admite: “My name is Billy Shears / It has been for so many years.” (Meu nome é Billy Shears / Tem sido por muitos anos). Por essa evidência, a idéia que Billy Shears poderia ser o substituto de Paul parece um tanto ridícula. Aliás, é bem sabido que “A Day in the Life” descreve o famoso acidente de carro de Novembro de 1966. No entanto, todos parecem ter omitido uma pista óbvia de quem era a vitima do acidente de carro em “A Day in the Life”: O despertador – um “ringing alarm clock”!!! Por que os Beatles incluiriam algo que estava tocando (ringing) senão para mostrar que a canção era sobre o Ringo?!?

Além disso, mais duas pistas do “Sgt. Pepper” precisam ser discutidas.
Na capa, alguém estende a mão sobre a cabeça de Paul. Isso claramente mostra o gesto de um padre abençoando os vivos – e Paul certamente poderia se considerar abençoado já que foi o único beatle poupado desse destino.

Antes do lançamento de Help!, os Beatles pararam de indicar a morte de um membro mostrando-o diferente dos outros. De fato, já que Paul é o único não-substituto na banda, ele, em “Sgt. Peppers”, foi mostrado como o diferente – de costas para a câmera na contracapa – para indicar que era o único vivo. Que isso tenha sido interpretado como evidência de seu falecimento deve ter sido de uma ironia arrasadora para o único Beatle original restante.

Magical Mystery Tour (1967)

Na capa, os títulos das canções “Magical Mystery Tour”, “The Fool on the Hill” e “Your Mother Should Know” estão dispostos de uma maneira que, lendo no sentido anti-horário a partir do “M”, as letras maiúsculas escrevem “MOST” (maioria). Isso foi feito para indicar que a maioria dos Beatles morreu e foi substituída. Afinal, as chances de letras maiúsculas num grupo de títulos de músicas coincidentemente escreverem uma palavra é ínfima. Além disso, na capa interna do “Magical Mystery Tour”, é feita uma referência a “four or five magicians” (quatro ou cinco mágicos), uma alusão aos quatro substitutos somados a Paul, que seria o quinto mágico – sendo a mágica a habilidade de manter a banda viva apesar das mortes secretas dos outros três membros.
John-2 canta: “I Am the Walrus” (Eu sou a Morsa). Morsas são símbolos da morte em algumas regiões do mundo.
Em “Hello, Goodbye”, Paul canta: “I don’t know why you say goodbye, I say hello” (Não sei por que você diz adeus, eu digo alô) uma referência aos Beatles originais (e um substituto) morrendo (dizendo adeus) e Paul sobrevivendo para dizer “alô” para seus substitutos. E há outra pista escondida da morte de Ringo-2. A palavra “Beatles” está formada por estrelas (stars), numa clara referência a Ringo Star!

The Beatles – White Album (1968)

Em “Glass Onion”, John-2 canta “Here’s another clue for you all/The walrus was Paul” (Aqui tem outra pista para todos vocês / A morsa era Paul). No entanto, nesta música, como em “Strawberry Fields,” John-2 também canta “Nothing is real” (Nada é Real), alertando o ouvinte atento para o fato que essa pista é falsa.
Em “I’m So Tired,” John-2 canta sobre cigarros (“pregos de caixão”). Além disso, no fim da canção, John-2 diz várias sílabas sem sentido que, tocadas ao contrário, se tornam “Paul, I’m Dead” (Paul, estou morto). No entanto, devido à baixa qualidade de som, muitos insistem erroneamente que é “Paul is dead” (Paul está morto).

Da mesma maneira que as pessoas que erroneamente insistem em afirmar que as palavras no fim de “Strawberry Fields Forever” são “cranberry sauce”. Na verdade, a maioria dos membros do “Paul Is Dead” pensa que essas sílabas dizem “Paul is a dead man, Miss him, miss him, miss him!” (Paul é um homem morto, sinto sua falta). Se você escutar melhor, verá que na verdade dizem “Paul isn’t dead, man. We miss him, miss him, miss him!” (Paul não está morto, cara. Sentimos sua falta) e é John, falando do além, por ele e pelos dois outros Beatles mortos, sentindo a falta de seu amigo Paul que ainda está na Terra.

Em “Yer Blues”, John-2 canta “If I ain’t dead already” (se ainda não morri) em uma referência irônica a John, o John de verdade, já estar morto.

No fim de “Cry Baby Cry”, Paul canta um trecho da música que diz “Can you take me back where I came from? Can you take me back?” (Você pode me levar de volta para onde eu vim? Você pode me levar de volta?). Isto foi interpretado como a voz de Paul vinda de além-túmulo, desejando ainda estar vivo. Mas na verdade Paul estava tentando transmitir sua tristeza em perder os três companheiros. Ele achou uma maneira de dizer que gostaria de retornar aos velhos tempos da banda, quando ele e os outros ainda eram um grupo e não esse saco de gatos com componentes fingindo ser os originais.

Abbey Road (1969)



Na capa há um VW com a placa “281F,” que pode ser lida como “28IF” (28 SE) e denota que John (nascido em outubro de 1940) teria 28 anos quando o disco foi lançado (setembro de 1969) SE estivesse vivo. Além disso, o uso da placa “281F” é uma outra pista muito inteligente, já que a substituição do ‘1’ por ‘I’ deve ter sido inpirada pelo fato que “Abbey Road” foi lançado somente 1 mês antes do aniversário de John.

Possivelmente essa justaposição foi o que inspirou a menção da idade de John (se vivo) na capa ao invés da de George ou Ringo.

A música de John-2, “I Want You (She’s So Heavy)”, acaba abruptamente, claramente uma metáfora com a sua vida ter sido abruptamente encurtada em 1965.

Em “Come Together,” o verso “come together, over me” (venha junto comigo), refere-se a um enterro (onde, os amigos vão juntos ao túmulo). Depois vem o verso “one and one and one is three” (um e um e um são três) indica que os três Beatles originais foram sepultados.

Mas por que três se morreram quatro? A explicação está em “Octopus’s Garden”: o verso “I’d like to be under the sea” (Eu gostaria de estar debaixo do mar), indica que Ringo-2 (que é o substituto do original, depois substituído por Billy Shears) foi sepultado no mar. Assim, não há túmulos para os outros três irem juntos (Come together over).

Let It Be (1970)



Na capa, Paul parece ter sido diferenciado dos outros de duas maneiras. É o único que olha para frente e o único em que o fundo da foto não é branco. Ainda mais, o fundo de sua foto é de um vermelho sangue. Dois enganos! Já vimos que desde Help! eles passaram a apresentar o beatle vivo como o diferente. Além disso, o vermelho é uma das cores mais vivas do espectro.

Quando o álbum foi remixado como “Let It Be… Naked”, a foto de George foi trocada mas Paul continua o único a olhar para a frente. O fundo de sua foto continua sendo diferente dos outros três. E, bem acima dela, a palavra “Naked” foi acrescentada. Num vermelho vivo…

Suspeitas e Confirmações

Pouco depois da separação oficial dos Beatles em 10 de abril de 1970, pessoas atentas, que viam na história da “morte” de Paul um significado inverso ao que via a maioria, começaram a se manifestar. Logicamente, como se tratava de mitos, de maneira discreta, até disfarçada.

Frank Robbins, desenhista do Batman e do Sombra da DC Comics, foi um deles. Sua história “Dead… Till Proven Alive”, resumida abaixo, é exemplar.

Mas é o próprio Paul que, numa entrevista a Chris Farley no “Sathurday Night Live”, fecha o ciclo. É ele mesmo quem valida a nova teoria…

Batman – Edição n°222 Título: Dead… Till Proven Alive
Data: Junho de 1970
Autor: Frank Robbins (1917-1994)


A história começa no dormitório masculino da “Hudson University” quando Dick Grayson (o Robin) e seus amigos ouvem “Summer Knights” pelo rádio, o novo sucesso do grupo sensação do rock britânico “Oliver Twists”.

O rumor que circulava era que um de seus membros, Saul Cartwright, tinha morrido em um desastre de moto um ano antes. Como no caso de Paul, as pistas são espalhadas por estações de rádio e envolvem mensagens gravadas ao contrário nas canções e capas de discos como a de “Dead… Till Proven Alive” que aparece na capa da revista nas mãos de Robin. Ela é parecida com a contra-capa de Sgt. Peppers e é o título da história.

Quando o locutor anuncia que a banda vai visitar Gotham City, Dick usa sua influência sobre seu tutor Bruce Wayne (o Batman) – que é um dos maiores acionistas da Eden Records, a gravadora dos Twists – e consegue qua a banda se hospede na Mansão Wayne.

A banda é investigada pela Dupla Dinâmica e no fim a grande descoberta é que Saul é o único integrante vivo. Todos os outros tinham morrido e sido substituídos por sósias!

Paul Is Alive – CD

Em 1993 Paul McCartney lançou seu CD solo Paul Is Live fazendo referência ao boato de sua morte, e provando que está mais vivo do que nunca. Na capa do álbum, a foto também foi tirada em Abbey Road, e mosta que Paul acertou o passo, calçou suas botas, segurou a corrente do cachorro com a mão esquerda, não há mais o carro funerário e na placa do fusca está escrito 50IS que é a idade que Paul estava (IS) quando lançou o disco.


Fonte: Jovem Nerd


2 Responses to “Paul is Alive?”


  1. 1 Igor
    12 / outubro / 2008 às 11:33 pm

    Muito boa essa teoria, nunca tinha lido a respeito dela.

    Aparentemente tem uma trama muita mais complexa, e mostra mais que uma “coincidência” que no ramo das probabilidades seria quase que impossível de acontecerem.

    Acho que acredito mais nessa possibilidade que na outra pela chuva de “coincidências” incriveis.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Conspiratório

Você acredita MESMO em tudo o que é veiculado na mídia?

RSS Twitter Calebe

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Twitter Giovanni

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS News


%d blogueiros gostam disto: